TACÓGRAFO DIGITAL OU ANALÓGICO? QUAL É O MELHOR?

qual é a melhor tecnologia

Você está curioso sobre o tacógrafo digital?

Será que um dia o tacógrafo analógico vai sumir? Será que a lei vai exigir mudanças em breve? Será que eu posso confiar nestas novas tecnologias?

Hoje em dia mais de 90% dos caminhões têm instalado o modelo analógico, a tecnologia digital dos tacógrafos ainda não “pegou” entre os donos de caminhões, e existe uma série de motivos para isso.

Se você parar e pensar um pouquinho, verá que muita coisa que era analógica, ou mecânica, virou digital, porém a grande maioria delas é de equipamentos de uso comum a todos, como um relógio, uma câmera fotográfica, uma TV ou um rádio.

Ao partir para o mundo dos negócios, questões como melhorar a experiência do motorista, ficam em segundo plano, o que importa neste caso é a redução de custos.

O tacógrafo é visto por muitos empresários e motoristas autônomos como uma obrigação, uma forma de cumprir a lei, e assim, eles não têm interesse em fazer a troca por um modelo mais moderno.

Porém, estes aparelhos podem te ajudar em muito na busca por rentabilidade da sua empresa, e vamos falar sobre cada uma delas aqui neste artigo.

Continue lendo para saber mais sobre:

  • Questão das leis sobre o uso dos tacógrafos;
  • Modelos e funcionalidades de tacógrafo digital;
  • Marcas e modelos de tacógrafo analógico;
  • Comparação de custos entre as duas tecnologias;
  • Sistemas de gerenciamento.

Mas afinal o que é o tacógrafo?

O cronotacógrafo, como também é conhecido, é uma espécie de caixa preta do veículo, nele é possível controlar várias coisas que são muito importantes para:

  • o motorista do caminhão: no caso de um acidente, por exemplo, o motorista pode se valer do tacógrafo para provar que não fez algo errado;
  • o dono do caminhão: pode usar o tacógrafo para controlar as velocidades do veículo na estrada, além do tempo do motorista dirigindo;
  • a fiscalização: a Polícia Rodoviária, por exemplo, confere no tacógrafo informações importantes para garantir a segurança nas estradas;

O QUE DIZ A LEI SOBRE OS TACÓGRAFOS?

simbologia da lei

Segundo a lei sobre uso de tacógrafos no Brasil, é obrigatório o uso do aparelho nos veículos:

  • de carga com Peso Bruto Total (PBT) superior a 4.536 kg, fabricados a partir de 01 de janeiro de 1991;
  • de transporte de escolares;
  • de transporte de passageiros com mais de 10 (dez) lugares;
  • de transporte de produtos perigosos.

Estão isentos do uso do tacógrafo os veículos:

  • de carga com Capacidade Máxima de Tração (CMT) inferior a 19 toneladas e fabricados até 31 de Dezembro de 1990;
  • de carga fabricados a partir de 01 de Janeiro de 1999 que tenham peso bruto total (PBT) inferior a 4.536 kg;
  • de transporte de passageiro ou misto, desde que licenciado na categoria particular e que não realizam transporte remunerado de pessoas.

O que fazer para ter o tacógrafo totalmente legalizado.

Ainda existe no Brasil uma grande parcela de veículos que não possuem o tacógrafo ou não estão dentro das normas estipuladas pela lei, e um dos grandes motivos para isso é a falta de informação.

Então, eu criei abaixo um fluxo para explicar melhor quais passos você deve seguir para se assegurar de que está fazendo tudo certo, dentro das regras.

fluxograma aferir tacógrafo

E você irá encontrar uma relação dos postos autorizados pelo INMETRO ao clicar nestes links:

TACÓGRAFO DIGITAL

tacógrafo vdo digital

Os tacógrafos digitais são a evolução de um equipamento tão importante nas estradas. Começaram a ser comercializados no Brasil em 2003 através da empresa SEVA, com o modelo SVT-3000.

Os modelos digitais utilizam fita diagrama, que nada mais é do que uma bobina (como as de cupom fiscal) para mostrar as informações registradas.

explicação fita diagrama

E apesar da simplicidade na operação, os tacógrafos digitais são poderosos quando o assunto é informação e monitoramento, eles têm a capacidade de controlar e avisar sobre:

  • Limite de velocidade;
  • Limite de velocidade em chuva;
  • Limite de aceleração;
  • Uso do cinto de segurança;
  • Excesso de velocidade em curva;
  • Pontos de interesse na carroceria.

Além dos controles básicos como:

  • Dados do motorista, ou motoristas em caso de viagens em dupla;
  • Distância percorrida;
  • Registro gráfico de velocidade;
  • Escala de tempo.

Um outro tipo de equipamento que se aproxima da função dos tacógrafos digitais são os aparelhos de rastreamento.

Na verdade, os dois equipamentos vem convergindo para se tornar a mesma coisa, pois ambos fazem telemetria e controles por GPS e pela internet.

A própria legislação não proíbe a entrada dos equipamentos de rastreamento no mercado de tacógrafos, isto porque não cita na lei o tacógrafo em si, mas o “registrador instantâneo e inalterável de velocidade e tempo”.

Entretanto, o que impede ainda a entrada de rastreadores com a função de tacógrafo é que não é possível a fiscalização imediata, ou seja, um policial rodoviário não conseguiria imprimir uma fita diagrama para atestar as condições de velocidade e tempo do veículo.

Além disso, é claro, qualquer aparelho precisa da homologação por parte do INMETRO.

CONTEÚDO VIP

Coloque seu e-mail abaixo para receber gratuitamente atualizações, artigos e dicas.

Entre as principais marcas e modelos de tacógrafos digitais no mercado estão:

VDO

SEVA

FIP

TACÓGRAFO ANALÓGICO

tacógrafo e discos diagrama

O bom e velho tacógrafo analógico ainda reina no mercado brasileiro, estima-se que mais de 90% da frota no país ainda use este tipo de aparelho.

Sim, uma das explicações mais simples para este fato é a de que ele atende a um objetivo primário, que é a de cumprir com a lei.

Outra explicação é que os donos de caminhões não irão investir na troca dos aparelhos, isto precisa vir de fábrica.

Porém, montadoras como a Mercedes-Benz, por exemplo, até hoje vendem caminhões novos com tacógrafo analógico, como você pode ver neste e-mail que recebi da fábrica.

tacófrago analógico mercedes

E se, mesmo depois de 12 anos do primeiro tacógrafo digital ter sido lançado, ainda temos montadoras de caminhões vendendo de fábrica os analógicos, é porque existe demanda para isso.

Os tacógrafos analógicos podem ser mecânicos ou eletrônicos, e têm a função de controlar:

  • Dados do motorista, ou motoristas em caso de viagens em dupla;
  • Distância percorrida;
  • Registro gráfico de velocidade;
  • Escala de tempo.

Para este controle, são utilizados os discos diagrama, feitos de papel, com uma camada de cera e outra de tinta na superfície.

Os discos diagrama tem aproximadamente o tamanho de um CD de música, e podem ser diários ou semanais.

Disco diagrama diário

O disco diário é, como o nome diz, para apenas um dia de viagem. Possui como característica um orifício oval no centro.

Eles são mais utilizados por empresas de ônibus.

Disco diagrama semanal

O disco semanal possui um conjunto de 7 discos, e registra 24 horas de operação em cada disco. Possui como característica um orifício circular e um recorte entre as 00:00 e 24:00 hs.

Seu uso é maior em caminhões.

O que preencher em um disco diagrama.

Muita gente não sabe, mas nem todos os campos do disco diagrama são de preenchimento obrigatório.

Abaixo coloco quais partes devem ser preenchidas e quais podem ficar em branco.

preenchimento disco diagrama

Você pode encontrar mais informações sobre a diferença entre os discos diários e semanais no site Vida do Estradeiro.

COMPARATIVO DE CUSTOS

digital ou analógico

Eu acredito que, uma das grandes preocupações suas, são com relação aos custos de cada tecnologia, tanto na hora de comprar o equipamento quanto no material necessário para usá-lo e nas manutenções.

Baseado nisso, eu fiz uma comparação dos custos envolvidos na compra de um equipamento e o uso por dois anos, que é o tempo de validade do certificado de verificação do INMETRO.

custo do analógico e digital

Você pode perceber que não existem grandes diferenças de custos entre o tacógrafo digital e o analógico.

Se, por um lado o digital é um pouco mais caro, por outro o analógico precisa da alimentação constante de discos diagrama e de manutenção.

Logo, o tacógrafo analógico não perdeu seu preço ao longo do tempo porque o tacógrafo digital não conseguiu ganhar o mercado.

GERENCIAMENTO DAS INFORMAÇÕES

relatório com informações

Fazer a leitura de um disco diagrama pode parecer difícil num primeiro momento, mas depois de um tempo a pessoa se acostuma com aqueles risquinhos para cima e para baixo e o gráfico deixa de ser um bicho de sete cabeças.

Porém, o problema é que olhar disco a disco não vai te trazer informação de forma gerencial, além de cansar a visão, gerando fadiga, e tornando a interpretação dos dados comprometida.

Logo, para resolver problemas como esse, surgiram no mercado sistemas de leitura de disco diagrama, que interpretam as marcações feitas pelo tacógrafo e as transformam em informações gerenciais.

Com os dados do sistema você pode analisar questões de comportamento do motorista ao volante, além do desempenho do caminhão.

Existem várias opções de sistema no mercado, das quais vou destacar três, que possuem características diferentes na comercialização:

  • LDD – Leitor Automático de Disco Diagrama: produzido pela empresa Planner, é o sistema homologado pela fabricante de tacógrafos VDO. O software é comercializado sob licença de uso;
  • Velomark LDT: produzido pela empresa Velomark Software, é comercializado por um preço único, sem a necessidade de pagamento mensal;
  • Velosul: ao contrário dos outros dois, esta empresa não comercializa o sistema, mas presta o serviço de leitura de discos diagramas, e fornece relatórios semanais para as empresas.

No caso dos tacógrafos digitais a amplitude de dados e informações extraídas são muito maiores, isto porque estes aparelhos conseguem medir outras atividades, tanto do caminhão, quanto do motorista.

É possível tirar relatórios de:

  • Comportamento;
  • Segurança;
  • Consumo;
  • Manutenção;
  • Rotas no mapa.

A fabricante de tacógrafos SEVA trabalha com o sistema Transcontrol.

Já a VDO possui parceria com o VDR – WEB.

PONTO DE VISTA DE CADA INTERESSADO

homem e mulher argumentando

Dizer qual das tecnologias, digital ou analógica, é a melhor, depende do ponto de vista de cada pessoa que trabalha no ramo de transportes.

Logo, existem certas questões que precisam ser discutidas antes de formar uma opinião, como:

  • Investimento no aparelho;
  • Custo mensal com materiais (disco diagrama, fita diagrama);
  • Controle de jornada do motorista;
  • Aprender a utilizar o aparelho;
  • Concorrência desleal;
  • Fiscalização da polícia e órgãos reguladores.

Se você trabalha como motorista empregado de uma transportadora, por exemplo, não está preocupado com o custo do tacógrafo, ou do disco diagrama, mas com certeza estará atento à fiscalização da polícia.

Empresas que praticam a concorrência desleal, ou seja, não cumprem o que determina a legislação quanto à jornada de trabalho do motorista, vão querer fugir do tacógrafo digital, porque ele é mais difícil de ser burlado.

Já as médias e grandes empresas de transporte irão, mais cedo ou mais tarde, migrar para o tacógrafo digital, porque elas precisam de controle, e da forma mais prática e completa.

OPINIÃO DO AUTOR

falando no alto falante

Sim, o tacógrafo digital foi disponibilizado em 2003 no Brasil, e até hoje não representa nem 10% do mercado nacional, e isto acontece por uma questão cultural.

O Brasil ainda é o país do “jeitinho”, onde qualquer forma de controle é vista como algo ruim.

Motoristas não querem ter que parar o caminhão só para cumprir a lei, mesmo que não estejam perto de casa.

Donos de transportadoras sérias, sofrem com a concorrência desleal de alguns colegas, que submetem motoristas a rodar por horas e horas além do permitido.

Empresas embarcadoras forçam as transportadoras a cumprirem horários que simplesmente não são possíveis, sob a ameaça de serem cortados caso não aceitem.

Isso tudo somado resulta em acidentes nas estradas, com motoristas fazendo uso de drogas para conseguir trabalhar.

O tacógrafo digital é obrigatório desde 2006 na Europa, e certamente um dia será aqui no Brasil também.

Por isso, por enquanto, eu sugiro que avalie o que é melhor para o seu negócio. Se você é:

  • Motorista autônomo, permaneça com o analógico, ele cumpre com a lei de forma eficiente, e te traz uma prova segura no caso de acidentes;
  • Dono de pequena transportadora, fique com o analógico nos veículos atuais mas procure comprar veículos com a tecnologia digital, é preciso modernizar-se e pensar que sem controle você não vai crescer;
  • Dono de média ou grande transportadora, avalie o custo da mudança para o tacógrafo digital, você pode inclusive vender os modelos analógicos em sites como OLX e Mercado Livre. Os benefícios da informação trazida por aparelhos digitais são enormes no caso de grandes frotas, sem dúvida nenhuma;
  • Funcionário de média ou grande empresa, procure se informar mais sobre a tecnologia de tacógrafos digitais, converse sobre o assunto com os colegas na estrada, tente se conscientizar de que o tacógrafo não é apenas um “dedo-duro”.

Agora me diga o que você pensa sobre este assunto, você concorda comigo ou discorda?

Coloque sua opinião nos comentários abaixo.

Forte abraço!

  • Vou analisar para meu negócio. Gostei do texto! Um abraço.

  • Chavelu Tacógrafos

    Empresa Chavelu Tacógrafo .

    Tacógrafo Digital , não usa disco e não requer manutenção .
    Custo x Beneficio .

    Duvidas :
    http://www.chavelu.com.br

    • Noemi

      Legal o texto @Ed Travisan, gostei da explicação do texto, o tacógrafo é um amigo do motorista ou do empresário, basta usa-lo corretamente. Estamos à mais de 15 anos no mercado, para quem tem alguma dúvida ou deseja uma Leitura dos Discos detalhada e aprovada pelo Sassmaq, entrem em contato comigo. E-mail: contato@nptacografos.com.br ou pelo sitewww.nptacografos.com.br

  • Caio Matias

    Só que um 1318 e um mtco e considerado digital e usa disco alguns erros no texto de parte técnica mais um bom texto exploratório.

    • Olá Caio, na verdade o 1318 e MTCO, da marca VDO, são tacógrafos eletrônicos, mas não digitais. Os tacógrafos digitais não fazem uso de disco diagrama, eles armazenam a informação totalmente em bits, já no caso dos tacógrafos mecânicos e eletrônicos, chamados de analógicos, a informação é gravada no disco diagrama. Abs.

      • Maxivel Tco

        Concordo @ed_trevisan:disqus
        Pelo disco diagrama conseguimos ter total controle das viagens, além de identificarmos se equipamento foi burlado, ou se há defeitos passível de multas.
        Aproveito para deixar as informações da Maxivel, onde poderemos auxiliá-los em jornadas, laudos, leis e processos trabalhistas.

        Site: http://www.maxiveltacografo.com.br

        E-mail: maxivel@maxiveltacografo.com.br
        Cordialmente,
        Valdirene.

  • Ótimo artigo Ed!
    Esclarecedor e abrangente.

    Inkatec Eletrônica
    Todas as marcas de tacógrafos: VDO, SEVA, FIP, Veeder-Root Stoneridge.

    Tacógrafos mecânicos, analógicos e digitais.

    21 2705-9132 / 4126-4123
    http://www.inkatec.com.br

  • Ricardo Hidraulica

    bom dia à todos, ótimo texto, mas, olha, o tacógrafo mecânico (1308) já ficou pra trás e é péssimo para deixá-lo bem aferido devido usar também cabo e redutores, mas tem uma fabricação em especial para atender esse mercado mais antigo que o: (SEVA vt-140 que tem o design parecido com o analógico, ) seria bom mencioná-lo quando atualizar o texto, vivo falando com nossos clientes que o cronotacógrafo é a parte mais importante no veículo, até mesmo que ele protege vidas, mas com certeza, os proprietários e motoristas, só vê a lei de tacógrafos como invenção do governo.
    att ricardo brito…

    • Oi Ricardo, muito obrigado pelo seu comentário. O Seva VT-140 está citado no texto, como um dos 3 modelos comercializados pela SEVA, com o link para o aparelho no site do fabricante – http://www.seva.com.br/produto/11/VT-140 – Grande abraço!

  • Ramon Miranda Santos

    Bom dia a todos, gostaria da ajuda pois hoje estou implementando a troca dos tacógrafos analógicos pelos digitais, ja realizei em alguns mas me deparei com um problema, pois tenho duas opções, ou imprimir diariamente (custo de bobinas excessivas) ou utilizar um sistema para leitura das informações, isso pois quando extraímos as informações via USB o arquivo vem decodificado.
    Gostaria de saber se existe algum programa gratuito que realiza-se a decodificação da informação dos tacógrafos digitais, ou algum sistema com melhor custo beneficio.

    • Prezado ;

      O fornecedor do tacógrafo …

      . Se analógico : oferece gratuitamente um software que faz a leitura
      e especifica os desvios e excessos cometidos ( conforme definição da Empresa ) ;

      . Se digital : oferece programa de armazenamento das informações.

      A VDO : http://www.vdo.com.br/tacógrafos/ é a mais tradicional distribuidora de
      tacógrafos e oferece cursos gratuitos para os usuários.

      Independe disso se desejar estender a informação, abaixo os meios de contatar-me:

      email : contato@jmclogistica.com.br
      sype : jmclogistica

      p.s. Posso proporcionar uma reunião com um revendedor autorizado pelo fabricante do tacógrafo que utiliza para que ele forneça as informações , rotinas e controles que precisa .

    • Thiago Thran Alves

      Bom dia. Não sei se ainda esta tendo problemas, caso sim, entre em contato comigo que posso lhe ajudar. acesse http://www.cdncrono.com.br 66-34210658 nosso telefone.

  • Thiago Thran Alves

    Os valores apresentados não correspondem a realidade na hora de calcular os custos e o beneficio. nem mesmo os cenários apresentados.

    Um tacógrafo digital não custa 1600 segundo a tabela do fabricante o custo é de 2699,00 o preço de um tacógrafo analógico é de 2367,00
    cada veiculo consome por ano 5,3 caixas de disco diagrama a um custo de aproximadamente 30 reais ( preço para o consumidor) as bobinas são gastas apenas em abordagens policiais sendo que 1 dura mais de 1 ano.

    o custo para se ter os dados do tacógrafo digital é de 290 reais anuais ou 432 dependendo do pacote contratado.

    As conclusões tiradas são satisfatórias. porem a balança quando se mede custo beneficio pende grosseiramente para o lado do tacógrafo digital quando se coloca nesta conta alem dos custos diretos, os custos indiretos como economia de recursos humanos, economia de recursos do veiculo, desperdício de discos diagramas, relatórios imprecisos e inúteis produzidos por funcionários despreparados, armazenamento dos mesmos (discos e relatórios), extravios de discos e o passivo trabalhista das empresas. Sabemos que hoje o motorista tem em suas mãos a faca e o queijo, sendo assim caso ele queira eliminar uma prova contra ele visando um futuro processo ele poderá fazer sem nenhum ônus, alem do que não é possível garantir que os dados do disco X foi produzido pelo tacógrafo X quando se trata de um tacógrafo analógico.

    Possuo uma empresa especializada em tacógrafos, inspeções acreditadas, controle de jornada e também prestamos a consultoria jurídica pois qualquer frotista que resolver comprar seja o que for de nada servirá se junto não vier um método de trabalho para que o que foi aferido seja usado a seu favor.

  • Camila Camurça

    Olá, bom dia! O tacógrafo digital, com ficheiro digital é válido no Brasil? posso substituir sem problemas o analógico? tem alguma legislação que fale sobre o tema? Grata! Camila (0xx11) 96273-0233